Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2017

VOU DESISTIR...

Igual a todos vocês, já passei por momentos em que pensei em desistir de tudo. Sofro ao ver os comportamentos, as decisões e também a falta delas. Já pensei inúmeras vezes em seguir apenas meu caminho e viver a felicidade familiar que me foi agraciada por Deus.
Tento fechar os olhos, mas com os olhos cerrados é justamente quando eu mais vejo. Tento tapar os ouvidos, mas os clamores vêm de dentro muito mais forteS do que de fora. Tantas vezes calo minha boca, mas o peito grita.
Observo, com muita tristeza, a obra de nossa mãe, trazida com tanto sacrifício, perder-se nas vaidades, orgulhos e ganâncias. Até mesmo choro ao ver tantos irmãos e irmãs seguindo como gado a um berrante, sem terem a consciência despertada para a essência de nossa belíssima missão.
Fico frustrado por me sentir impotente e ao mesmo tempo cúmplice por calar minha voz e travar meus escritos. Não sou cego, nem surdo, nem mudo! Por que então calar?
Fala mais forte em meu coração o senso de responsabilidade! O receio de e…

Seguir o Trino Ajarã...?!

Muitas vezes me questionaram sobre por qual motivo não havia iniciado minha missão ligado diretamente ao Templo Mãe; logo eu que convivera com tanta proximidade acabei ligando minha jornada ao Tio Beto e não ao Tio Raul.
Pois bem... Sempre evito qualquer questionamento que se refira às tais “ordens” que administram juridicamente nossa Doutrina, pois não jurei aos homens ou à alguma ordem, jurei ao Pai e para mim ele é o mesmo em todos os templos. Mas não me furto em esclarecer que Tia Neiva outorgou ao Trino Ajarã o poder e a responsabilidade em realizar quaisquer Consagrações e coordenar os Templos do Amanhecer. Em duas cartas ela registrou seu desejo e não poderia caminhar diferente: estando fora do Templo Mãe eu segui a orientação de que Tio Beto seria o responsável.
Não que eu concordasse com todas suas ações, ou com a falta delas, mas aprendi a respeitar a hierarquia e Tia registrou que ele era o responsável. Apenas isso! Minha admiração pelos homens Beto e Raul é a mesma, mas esta…

O TRINO PARTIU... e AGORA?

Meus irmãos e irmãs, Salve Deus! Creio que todos estão se perguntando como ficará a Doutrina com a partida do Trino Ajarã. Surgem muitas fofocas, conversas plantadas e os gregorinhos de plantão engordam com tanto material a ser distribuído em suas maledicências.
Para responder este questionamento é preciso primeiramente diferenciar a Doutrina do Amanhecer das ordens jurídicas que a administram físico. Na parte material uma das ordens (a CGTA) perdeu seu presidente e na parte espiritual a Doutrina como um todo, perdeu um Trino, o Primeiro Doutrinador deste Amanhecer.
A falta do Mestre Gilberto para a CGTA será irreparável, pois ninguém terá o mesmo carisma e coragem para administrar tantos templos e lidar com tantos líderes de personalidades tão diferentes. O vice-presidente da CGTA deverá assumir e manter o sistema organizacional desta ordem jurídica. Creio ser oportuno comentar, para os que não sabem, que a Ninfa Nair não é a vice-presidente. Ela chegou a ocupar esta função por ocasião …

Recordando

Mantenha o equilíbrio na hora da justiça, evitando qualquer inclinação de vingança.
Cuidado com sua perplexidade, para não entrar na temeridade.
Vigie até mesmo sua firmeza, para que se não transforme em imobilidade.
Peça luz para sua metas, para não tornar-se um tirano.
Examine sua habilidade, evitando que se torne malandragem.
Analise suas dores para não transformarem-se em revolta.
Controle suas insatisfações, de modo que se não instalem na casa sinistra do ódio.
Cuide de sua sinceridade, para que suas palavras não destilem veneno.
Vigie seu entusiasmo para que não caia na impulsividade.
Mantenha seus princípios no que acredita, mas não faça deles um motivo para a agressão de quem te contradiz.

Kazagrande

DESENCARNE DO TRINO AJARÃ

Salve Deus! Retorna à Pátria Espiritual o Trino Ajarã!
Igual a todos nós, que um dia faremos nossa passagem, chegou o momento do homem Gilberto Zelaya deixar a roupagem física e ser conduzido pelas vibrações que semeou ao longo de sua jornada terrestre.
Se acertou mais do que errou, se cumpriu seu papel, se fez mais, ou menos, do que devia... Não saberemos! Saberemos apenas do sentimento que se sobrepor ao recordarmos sua imagem.
Muitas vezes chorei por suas atitudes, e outras tantas me alegrei e sorri feliz! E assim foi com cada um de nós, individualmente, externando os sentimentos provocados.
Era difícil compreendê-lo... Imaginem a bagagem deste espírito! Era fácil ama-lo ou detestá-lo, pois cada atitude, cada palavra, ou cada ausência de atitude ou ausência de palavras afetavam milhares de médiuns. Ninguém podia avaliar as existências que carregava e o quanto o peso de tais experiências se sobrepunham aos seus desejos pessoais.
Era meu tio! Aprendi a amá-lo e respeitá-lo, independente da…

SERÁ CULPA DA ESPIRITUALIDADE?

Meus irmãos e minhas irmãs, Salve Deus!
Não podemos simplesmente esquecer nosso passado ao nos depararmos com novas dificuldades. A encarnação neste planeta é o ingresso em uma escola onde verificamos se as lições passadas ao nosso espírito foram realmente aprendidas.
Quando estamos nos preparando para nosso regresso a este plano físico, nosso espírito está cheio de planos e promessas. Boas intenções não nos faltam! Queremos provar que aprendemos com os erros do passado, queremos nos deparar com situações que provem que poderemos regressar e ficar junto à alegria de nossos familiares espirituais, junto ao trabalho gratificante.
Em conjunto com nossos Mentores planejamos nossos encontros, reencontros e desencontros. Programamos grande parte de nossas decepções para mostrar que não é apenas da “boca para fora”, pois acreditamos ter aprendido e saberemos nos conduzir, mesmo com a benção do esquecimento...
Porém uma lição somente está verdadeiramente assimilada quando, independente de nossa c…

A Espiritualidade espera?

A responsabilidade na implantação de um trabalho espiritual
Meus irmãos e irmãs, Salve Deus!
Como ficamos felizes com a conquista de um novo trabalho para o Templo! Pensamos logo nas possibilidades que se abrem para os pacientes e também que nossa própria vida pode melhorar por termos mais opções de prestar a caridade. Mas... Não são apenas flores!
Ninguém é obrigado a assumir qualquer compromisso com a Espiritualidade, mas ao assumir, deve cumprir! Implantar novos trabalho implica necessariamente no compromisso com sua manutenção! Um estrutura física pode ficar abandonada para usar de vez em quando, mas a estrutura espiritual não! Opera-se pela Lei da Razão, e um trabalho que não tem sua manutenção regular não firmará seu ponto de força.
Imaginem que a Espiritualidade coloca toda uma estrutura espiritual à disposição do mestrado. Uma corte, uma projeção de forças, representantes de falanges, cavaleiros e demais mentores, todos a disposição para “quando der para fazer nós fazemos”. Será q…

Um vazio no peito...

Mestre, estou afastado por diversos motivos e sinto um vazio no peito...
Este vazio que sente em seu peito é o amor que sente pela Doutrina e a conseqüente necessidade de sentir que continua contribuindo de forma relevante para a cura de tantos, encarnados e desencanados que estão a espera do amor do Jaguar.
Não sou vidente e muito menos tenho o direito ou capacidade de julgar qualquer pessoa ou situação, porém, como você pediu minha opinião, permita-me dizer tudo que a intuição neste instante aproxima.
Você passou uma importante faixa cármica e espiritual em sua jornada terrestre. Trabalhou muito, dedicou-se com amor e viu todo este trabalho crescer e frutificar. Guarde esta lembrança, acima de todas as outras! Não importa que houve desentendimentos, desvios por parte de outros envolvidos... Nada disso importa! Você fez sua parte e agora é hora de preencher este vazio que ficou.
Acabou o tempo de descanso, de reflexão... Agora é hora de encontrar-se novamente com a nova missão que vai se…

Quem manda sou eu?

Meus irmãos e minhas irmãs, Salve Deus!
Existem atitudes que já não podem mais fazer parte da conduta de um missionário! Principalmente se falamos de Adjuntos, Comandantes, Regentes... Líderes enfim.
Não falo de grandes escândalos e fatos que claramente agridem pela permissividade, conveniência ou conivência.
Falo de comportamentos do dia a dia!
Um Comandante não deve jamais abusar de sua autoridade e usar a arrogância. Um Comandante deve  ser o exemplo do bom senso. Aquele que sabe chamar à razão sem ferir os sentimentos, aquele que zela pelo trabalho, pelas Leis, mas que sabe como se comportar de maneira humilde. O Comandante conquista pela sua educação, carinho, sorriso... Sua autoridade é conquistada e jamais imposta pela “patente”. Já não vivemos mais na velha estrada.
Uma  Regente, ou Aponara,  ou Coordenadora, pode ter suas regalias, mas jamais deve usar sua condição de líder para promover ansiedades e discórdia. Deve ser aquela que dá o exemplo de respeito ao Mestre Adjunto e seus …

BUSCANDO CULPADOS...

Uma das piores decisões que podemos tomar quando nos sentimos acuados pelas situações adversas ao nosso redor, é procurar culpados!
Já falei outras vezes sobre a “síndrome de justificativa” que insistimos em alimentar, pois buscamos explicações vagas para justificar nossos fracassos, erros de conduta e falhas de caráter. Mas ainda pior que insistir em se justificar é quando buscamos culpados! Quando tentamos infligir ao outro a culpa pelas nossas próprias ações.
Agir como um “sofredor”, embora todos possamos ser “sofredores encarnados”, jogando todo o peso de nossa desdita por conta das ações de outras pessoas, é deixar de lado todo o conhecimento que recebemos sobre a Espiritualidade e nos entregarmos aos devaneios de que sem influências teríamos “feito tudo certo”.
Para nós, médiuns esclarecidos, já não é mais aceitável recorrer às justificativas e as culpas dos outros! Nossa consciência assume a responsabilidade total sobre nossas ações e todas nossas dificuldades somente cessam quand…

Encarando novos desafios!

Meus irmãos e minhas irmãs, Salve Deus!
Em nossas vidas muitas vezes tivemos que “recomeçar”.
Nem sempre é fácil, pois implica em engolir o orgulho, aceitar as limitações do momento, e, em algumas vezes, até mesmo voltar atrás.
É preciso rever conceitos, identificar onde estivemos errados e fundamentalmente olhar sem máscaras para nossas atitudes. Deixar de querer se justificar é o primeiro passo!
Entender que se algo deu errado é porque existia verdadeiramente algo errado em nós! Em nossas atitudes,  em nossas escolhas, nas palavras que insistimos em proferir, nos pensamentos que cultivamos.
Quem vos fala é o “rei do recomeço”... Incontáveis vezes em minha vida tive que render-me à situação que se apresentava e tentar de novo! Demorei muito para entender estes conceitos básicos que escrevi acima. Errei, errei de novo, me revoltei, questionei tantas vezes nossos Mentores, até que, sob a “varinha de Pai João”, entendi!
Em diversas ocasiões escrevi para vocês sobre a necessidade de deixar de …

Ingratidão

A verdadeira caridade é prestada quando está totalmente desprovida de expectativas! (Ministro Anavo)
Meus irmãos e irmãs, muitas vezes nos decepcionamos com as pessoas que ajudamos, pois esperamos um reconhecimento pelo bem prestado. É um sentimento humano esperar por isso.
Quem de nós não passou por alguma situação em que além da falta de reconhecimento ainda recebeu de volta a triste ingratidão?
Porém, a ingratidão é igualmente um sentimento humano e ela só torna-se real quando havia expectativa de reconhecimento, e assim, o bem proporcionado não real caridade.
Em nossa Doutrina aprendemos e realizamos a mais pura caridade: auxiliamos a espíritos, encarnados e desencarnados, totalmente desconhecidos e que na maioria das vezes não possuem qualquer possibilidade de “retribuição”, e se houver reconhecimento, não saberemos.
Esta lição prática de nossa vida doutrinária deveria ser levada adiante em nosso dia a dia também! Quando auxiliamos alguma pessoa não podemos esperar retribuição ou reco…

Sou Doutrinador, não sinto nada!

Uma das dúvidas que assola os Doutrinadores, deste os iniciantes até alguns Adjuntos de Templo (recebi o questionamento de um deles) é “não sentir nada”.
Muitos Doutrinadores realmente não possuem nenhum fator extraordinário que comprove que são médiuns e alguns, pela mente científica e pela pureza de seus sentimentos, chegam a deixar a Doutrina.
A grandeza da missão de Tia Neiva foi justamente trazer a mediunidade do Doutrinador. Esta foi sua principal missão! Esclarecer a tantos que julgavam não ter mediunidade, e passavam pelos mesmos problemas dos médiuns que incorporavam (estes sim eram considerados médiuns).
A mediunidade do Doutrinador é muito diferente da mediunidade de incorporação. A produção de energia em excesso, que caracteriza um médium, não é externada por meio da incorporação e do entorpecimento da consciência. Na verdade o Doutrinador mediunizado fica “mais consciente do que nunca”, totalmente ao contrário do médium de incorporação, que passa a receber as influências ext…

O Adjunto Maior

Somos uma Tribo, mais do que isso, arrisco-me a afirmar que somos uma grande família (ou ao menos deveríamos ser e agir assim).
Creio firmemente nos laços espirituais que nos unem e, portanto, apesar dos grandes reajustes que existem entre nós, o sentimento de “família espiritual” deveria suplantar, pelo perdão, todas nossas mágoas do passado.
Embora muitos “povos” tenham sido formados, pela abertura de inúmeros Templos, temos uma raiz de origem em um Adjunto Maior, ou Adjunto de Raiz. Aqueles primeiros homens, escolhidos a dedo por nossa Mãe Clarividente, que tendo a capacidade de ver nos dois planos, pode obter o conhecimento da herança transcendental destes homens e consagrá-los na formação do Adjunto Koatay 108.
O Adjunto de Povo é um verdadeiro pai para seus componentes. Não vou descrever novamente as Leis que o regem e suas inúmeras responsabilidades e compromissos, mas cabe lembrar que ele forma, em sua força decrescente, outros Jaguares, que podem se tornar igualmente responsávei…

Tolerância x Permissividade

Meus irmãos e irmãs, Salve Deus!
Uma das maiores dificuldades em nos conduzir doutrinariamente ocorre pela tênue linha que divide a fronteira entre tolerância e permissividade. Sofremos por ver determinadas situações e nos calamos em nome da tolerância, sem perceber que, muitas vezes, ingressamos no terrível terreno da permissividade.
Seguindo a linha de sempre tentar explicar as coisas com mais clareza e simplicidade partirei para pequenos exemplos, que não devem ser tomados ao pé da letra, mas que servem de alegoria para um melhor entendimento. As situações relatadas não se referem a nenhum templo específico, pois podem acontecer em qualquer lugar, ou nunca acontecer. Nenhum exemplo é direcionado, Salve Deus!
A tolerância pode facilmente ser transcrita por “respeito”! A permissividade é cumplicidade com ações equivocadas, é omissão!
Um coisa é respeitar a “Lei do Adjunto”, que permite ao Mestre, que nos conduz dentro do Templo, usar de sua intuição e prerrogativa para autorizar realizaçõ…

Namoro e Doutrina

Os espíritos, encarnados e desencarnados, se aproximam sempre por duas premissas: afinidade ou cobrança. E mesmo na segunda opção, cobrança, é necessária uma afinidade vibratória inicial.
Partindo destes princípios podemos considerar natural a aproximação interessada de membros da Doutrina, que vêem no outro uma possibilidade de estar junto de quem compartilha dos mesmos ideais de fé e convivência social (sem álcool, drogas e com uma conduta a ser seguida).
Assim inicialmente se formam os casais dentro da Doutrina... Com uma afinidade no trabalho espiritual, algo que chama a atenção e parece haver um “reconhecimento” mútuo. Passam a trabalhar juntos com mais freqüência e logo acabam se encontrando fora do Templo, sem uniforme, para conhecerem suas personalidades.
Dentro do Templo, de uniforme, nós somos “seres de Luz”! Refletimos a energia de nossos Mentores e atraímos fortemente a todos que possuem alguma necessidade espiritual. Deste modo, pacientes, e médiuns iniciantes, sentem-se nat…