ÚLTIMOS TEXTOS

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Texto Novo: Simplesmente União

sexta-feira, 31 de maio de 2013 - 5 Comments


Meus irmãos e irmãs,
Salve Deus!

É chegado o momento de nos unirmos em uma só vibração de união.

Não é mais amanhã ou quando nos conclamarem as lideranças, o momento do Jaguar é agora! É hora de somarmos nossas forças em prol de um novo amanhecer em nossa Doutrina, em nossas vidas.

Recordemos o olhar de Tia Neiva, calmo, profundo, e seu sorriso doce de mãe.

Por algum tempo deixamos nossas paixões falarem mais alto e permitimos pensar que poderíamos ser divididos... “Eu não divido meus filhos”, assim nos ensinou a grande mãe que nos uniu neste físico por Pai Seta Branca.

Parece que caminhamos por estradas difíceis, mas foram os atalhos de nossas mentes, jamais a grande estrada que nos propomos a trilhar. Nosso verdadeiro caminho é o da felicidade!

É o caminho natural que se apresenta para trilharmos com nossos Mentores, servido em favor de nossa verdadeira evolução. O caminho de nossa própria libertação!

Sofremos por deixar nossa mente enredar-se pelas paixões terrenas, pelos apegos, quando seria tão simples e sem dor, nos entregarmos ao que naturalmente se apresenta.

O poder que temos nas mãos é incomensurável. Podemos parar uma guerra, já nos foi provado, então porque não paramos as divagações da mente? Por que insistimos em vibrar em coisas negativas?

Três perguntas poderiam direcionar toda nossa vida:

O quê penso, falo ou como vou agir, irá resolver meus problemas? Ou simplesmente: Irá resolver?

O quê penso, falo ou como vou agir, vai fazer bem para mim?

O quê penso, falo ou como vou agir, vai fazer bem para alguém?

A simples negativa de uma destas perguntas já deveria servir para que abandonemos o pensamento, para que freemos a língua ou paremos a ação!

Tia Neiva deixou tudo tão explicado... Não sei por que demoramos tanto para entender, não sei por que eu também demorei tanto para conseguir colocar em prática todo um acervo de Luz que abre nossos caminhos, facilita nossa vida e permite que sejamos felizes ainda neste terceiro plano.

Mais uma vez afirmo: é a hora do Jaguar! Hora de despertar para a simples verdade que tudo podemos na pureza de nossos pensamentos, de nossas palavras, de nossas ações.

Tudo é possível! Vamos gerar uma grande corrente de união, uma força vibratória imbatível em prol da missão que nos foi confiada. E juntos, uma vez mais, poderemos ser o Socorro Final, para tantos que esperam que paremos de brincar.


Kazagrande

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Terezinha Zelaya - Nota de Desencarne

quinta-feira, 30 de maio de 2013 - 5 Comments


Com profundo pesar que recebemos a notícia, através do site oficial da OSOEC, do desencarne da esposa e Ninfa do Trino Ypoarã, Mestre Raul Zelaya.

TEREZINHA ZELAYA
(NORA DE TIA NEIVA)

Na tarde de hoje 30/05/2013.


SALVE DEUS!!!

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Texto Novo: Além das Aulas de Apará

quarta-feira, 29 de maio de 2013 - 5 Comments


Mestre: Comecei agora minhas aulas de Desenvolvimento, sou Apará. Tenho muitas perguntas sobre como funciona minha mediunidade, poderia me esclarecer algo além das aulas?

Meu irmão, Salve Deus!

O Apará tem ao seu dispor um canal direto de comunicação com nossos Mentores. Quando mediunizado, entorpece seus sentidos físicos e entra em contato com a Espiritualidade.

É o portador do Segundo Verbo, da Voz Direta!

É o médium cujas energias se concentram no plexo solar, na região umbilical. A energia ectoplasmática ativa o plexo solar acima da tônica normal, produzindo toda uma série de fenômenos, que resultam neste contato direto com a Espiritualidade.

O sangue afluindo com maior pressão nessa região, empobrece a irrigação cerebral e, com isso, amortece os principais sentidos. A força do plexo solar é transmitida aos plexos vizinhos, proporcionando um espectro amplo de ligação com os chakras.

Quando chega ao Vale do Amanhecer, o Apará apresenta incômodos na parte inferior do corpo, principalmente no aparelho digestivo, rins, bexiga e outros órgãos energizados pelo plexo solar e circunvizinhos.

É muito comum, também, apresentarem incômodos na coluna.

Como conseqüência direta desses males, ele sofre cronicamente de dores de cabeça, tonturas e sintomas semelhantes.

Psicologicamente os sintomas são de fobias, alucinações, insegurança, irritabilidade, emotividade exagerada e até histeria.

A primeira medida, no seu desenvolvimento, é fazê-lo sintonizar com o seu Mentor. Ele é a garantia do equilíbrio do médium.

Convida-se o aspirante a se concentrar, de olhos fechados, de pé, e a respirar profundamente. Mediante a aplicação das mãos, da cabeça para baixo, sem o tocar, o Doutrinador magnetiza o aparelho. Esse trabalho deve ser acompanhado de leve hipnose, através de palavras repetidas. Pede-se ao médium que imagine seu Mentor, e vai-se sugerindo sua presença, mediante chaves próprias.

Na maioria dos casos, o médium incorpora na segunda ou na terceira aula. Se ele apresentar sintomas de angústia, deverá continuar passando nos trabalhos durante o desenvolvimento, para que sejam realizadas as passagens dos irmãozinhos.


Kazagrande

terça-feira, 28 de maio de 2013

Texto Novo – Editorial - Lição de Humildade

terça-feira, 28 de maio de 2013 - 18 Comments


Nossa pequena jornada o “Exílio do Jaguar” nunca se envolveu em qualquer disputa. Sempre direcionei todos os textos, de maneira que o cunho doutrinário fosse acessível a qualquer médium da Doutrina do Amanhecer, sem importar de qual Templo se origina.

Mesmo nos momentos em que fui indagado sobre “preferências” sempre fiz questão de frisar que: Trino Ajarã e Trino Ypoarã sempre foram e serão Tio Beto e Tio Raul, assim aprendi a trata-los, como membros da família que me acolheu em minha chegada ao Templo Mãe do Vale do Amanhecer.

Hoje, porém, não posso deixar de manifestar particularmente minha alegria e meu profundo respeito pela atitude do Trino Ajarã em buscar a Reunificação de nossa Doutrina, despindo-se de qualquer vaidade para levar todos os Templos do Amanhecer de volta a casa madre.

Em uma demonstração de humildade, semeando um exemplo que será eternamente lembrado, afirmou que se curvaria aos seus irmãos, em busca de uma solução doutrinária para trazer de volta o acesso livre e em paz de todos os médiuns ao Templo Mãe.

Um grande líder jamais poderia ser reconhecido pela arrogância. Com esta afirmação, “Tio Beto”, o Trino Ajarã, demostrou que a missão se sobrepõe a tudo em nossas vidas. Não há lugar para os conflitos da personalidade quando o compromisso espiritual se apresenta. É preciso mergulhar na experiência transcendental do espírito e sublimar as vaidades humanas.

Sabedor do grande coração do “Tio Raul”, Trino Ypoarã, não tenho dúvidas que em breve os dois irmãos novamente se abraçarão, superando as energias de certos maquiavélicos asseclas que sempre desejaram o poder com a divisão (dividir para governar).

Nossa Doutrina não poderia ver partir seus líderes deixando um povo dividido.

Para mim, pequeno médium deste Amanhecer, sem qualquer pretensão além de cumprir minha missão de encaminhar espíritos e compartilhar o pouco que aprendi, resta agradecer à ação da Espiritualidade, e ao exemplo de humildade do Trino Ajarã: Obrigado Tio Beto! Nossa Mãe estará novamente feliz ao sentir que seu primogênito, o Primeiro Doutrinador deste Amanhecer, o grande líder das tropas de outrora, converteu-se verdadeiramente em um grande líder espiritual!

Kazagrande


Resumo da Reunião de 26/05/2013 - Reunificação da Doutrina
Fonte: Portal do Jaguar, pelo Adjunto Adelano

Salve Deus!

O Templo do Oliban, de Céu Azul-Go estava repleto de médiuns aguardando o Trino Ajarã, na expectativa de uma resposta há tanto tempo esperada: o livre retorno, e em paz, ao Templo Mãe.

Inicialmente o clima era tenso, o Trino em uma reunião fechada com alguns Mestres... Quando adentrou as portas do Templo foi com uma salva de palmas que recordava as saudosas entradas do Trino Araken no Templo Mãe. Ao sentar-se no Radar, o mesmo silêncio daqueles tempos.

Pausadamente ele foi conduzindo a reunião. Falando inicialmente da enfermidade que lhe havia acometido, da tolerância que teve em relação ao elítrio, e, logo depois falou de seus irmãos biológicos, do amor e respeito que sempre teve, lembrando sua mãe, Tia Neiva, com seu cuidado em mantê-los sempre unidos.

Depois falou do Templo Mãe, da importância que o mesmo representa para todo o corpo mediúnico. Agradeceu ao Artista Vilela que lhe alertara sobre essa importância. E claramente afirmou:

- Eu me irei me curvar diante de meus irmãos, para buscar uma solução doutrinária, para podermos voltar, em paz, para nosso Templo Mãe.

Nesta frase ficou sintetizada toda a reunião!

O Trino Ajarã, Primeiro Doutrinador deste Amanhecer, emocionou-se diante dos mais seiscentos médiuns, provando que a união e o valor a família, que tanto nos ensinou Pai Seta Branca, é inquestionável e imprescindível para o desenvolvimento espiritual e físico de todos nós


Terminada a reunião, todos os médiuns partiram em direção aos seus lares em uma demonstração viva da vontade e do carinho de todos pelo Templo Mãe.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Tratamento como “Mestres e Ninfas” (rep.)

quarta-feira, 22 de maio de 2013 - 4 Comments


“Mestres ensinando Mestres..”. Pai Seta Branca

Mestre

O uso do tratamento de Mestre em nossa Doutrina refere-se à necessidade de constante aprendizado e ensinamento. O Mestre é aquele que compreende que sempre existe mais por aprender e que compartilha o conhecimento já adquirido.

Para nós não é aquele que é um “professor”, mas sim aquele que compreende a necessidade de viver sua vida mediúnica voltando-se ao constante aprendizado e repasse dos conhecimentos adquiridos, aprendendo e ensinando a cada dia, tornando-se mais tolerante, mais amigo, mais humilde... Esta é a figura do Mestre que devemos buscar representar.

Ao realizarmos nossa Iniciação, registramos nosso nome no Grande Livro dos Iniciados dos Himalaias e somos considerados como “Pequenos Mestres”. Aquele que está a caminho do mestrado, que um dia chegará a este patamar.

Ao realizarmos a Consagração de Elevação de Espadas, adquirimos o “Mestrado” a nível físico. Passamos a ter o direito de participar do trabalho de Estrela Candente, que requer grande precisão e concentração. Porém para sermos Mestres, espiritualmente falando, a jornada é muito mais longa! Depende de nossa conduta nos três planos.

Dessa forma, o tratamento de Mestre explica-se como um incentivo a condição que se deve adquirir ao longo de sua jornada mediúnica.

“A função de um mestre, como perito da Doutrina do Amanhecer, é cuidar de si mesmo, sem vaidade de se achar pronto e completo, procurando aprender com amor e ensinar com humildade, usando a tolerância para ouvir e para explicar cada fato novo que a Espiritualidade traz ao seu alcance das mais variadas formas, tanto durante seu trabalho no Templo, como nos fatos corriqueiros do dia-a-dia de sua vida material.”

Ninfas

Na mitologia grega, Ninfa deriva de “nimphe”, que significa "botão de rosa", dentre outros significados.

O tratamento foi escolhido por Pai Seta Branca, ao comparar as Ninfas às rosas de seu jardim.

Uma forma de demonstrar claramente como nossas médiuns devem ser tratadas: Com respeito, ternura e admiração pela sua condição.

A Ninfa representa a suavidade da Doutrina, são poupadas dos comandos dos trabalhos para que harmonizem o ambiente, e semeiem com suas melodias o equilíbrio exigido a cada passo.

Kazagrande
Se não houver respeito ou se desrespeitar uma ninfa, é como desrespeitar toda a guarda de Pai João, é tê-lo no seu calcanhar, o que não é bom, porque eles não nos castigam, porém nos deixam à mercê de nossos carmas!



Tia Neiva em 13 de setembro de 1984


A IMPORTÂNCIA DOS DETALHES

Você já pensou na importância dos detalhes?

Muitas pessoas falam de moralidade, virtude e bondade, mas são raras as que praticam essas qualidades no dia-a-dia, com as pessoas com as quais convivem.

Seus olhares geralmente estão voltados para o todo, para a comunidade, mas se esquecem de que o todo é formado pelos indivíduos.

Para que se possa efetivamente aumentar o bem-estar geral, é preciso iniciar por praticar virtudes como a de responder gentilmente a um familiar ou colega de trabalho, no momento em que este solicita.

Quem não dá importância aos detalhes, não terá êxito nas grandes coisas, pois as coisas grandiosas são compostas pelas pequeninas.

Pensando assim, chegaremos à conclusão de que detalhes não existem de fato.

O que nos parece um detalhe é a parte mais importante, e a que realmente faz a diferença.

É inegável que a vida se torna mais leve quando somos tratados com pequenos gestos de gentileza, cortesia e atenção.

Ainda que possam nos parecer insignificantes, as ações benevolentes provocam um efeito semelhante ao que ocorre quando jogamos uma pedra num lago.

Pequenas ondulações surgem e vão se espalhando pela superfície líquida. Assim também os pequenos gestos de bondade provocam ondulações no caráter de quem os recebe.

Essas atitudes têm um grande poder de transformação, pois quem as experimenta se deixa penetrar pelas vibrações agradáveis e tende a repeti-las com as outras pessoas.

Por isso, se você se importa mesmo com o bem geral, comece por promover a sua melhoria íntima, nos mínimos detalhes.

Comece a observar suas ações no dia-a-dia e se questione sempre:

“Esta minha atitude está contribuindo para que eu me transforme no tipo de pessoa que desejo ser?”

“Minha maneira de agir com as pessoas que cruzam o meu caminho está contribuindo para o bem-estar geral?”

Um único minuto de atenção que damos a alguém pode significar muito para o bem geral.

Da mesma forma, uma palavra áspera, a indiferença diante da dor de alguém e a falta de atenção podem gerar dissabor em grande escala.

Por todas essas razões, se você deseja construir um mundo melhor comece a prestar atenção nos detalhes.

Olhe para dentro de cada coração e descubra ali os valores existentes e use-os para gerar harmonia e bem-estar.

Um indivíduo que se sente feliz e valorizado, será, certamente, mais um aliado seu para melhorar o mundo.

Um aliado que irá, tanto quanto você, vislumbrar o imenso horizonte a ser conquistado, a ser cultivado com as flores de amizade, do respeito e da bondade.

Quando prestamos atenção nos detalhes e aproveitamos cada oportunidade para fazer o bem, estamos construindo o bem comum.

Agindo assim chegaremos à essência da vida. E a essência da vida é o amor. Não um amor geral, destituído de significado, mas um amor ativo, criativo e atencioso nos mínimos detalhes.


Todas as pessoas que fizeram e fazem a diferença no mundo, cuidaram dos detalhes.

Um olhar de ternura, uma resposta gentil, um pequeno favor, a atenção aos que são desprezados pela maioria, são qualidades das pessoas de bem.

Assim, se desejamos realmente fazer o bem devemos fazê-lo nos mínimos detalhes...

Kazagrande

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Anjos Vingadores

quinta-feira, 16 de maio de 2013 - 2 Comments


Um dos sentimentos mais tristes que prolifera na humanidade é a vingança. Muitos tentam mascarar sua sede de vingança usando a capa da justiça, enganando a si mesmos e outros incautos.

Fazendo-se de donos da verdade, pregam suas represálias em forma de fazer o quê é justo, de não se calar ante aos desmandos com os quais foram seguramente atingidos.

Estes “anjos vingadores” já se contradizem pela própria denominação. Somos homens em busca de despertar o anjo que podemos ser ao nos unificar com Deus Pai Todo Poderoso. Seguidores da Luz, não podemos esquecer que a fé que nos move, provêm de uma fonte única de bondade, que exclui qualquer forma de vingança. Anjo e vingança não são palavras que podem conviver.

Somente semeando o perdão é que poderemos ter a verdadeira justiça. Somente aprendendo a perdoar sem mágoas, sem ressentimentos é que podemos pedir perdão por nossas próprias faltas. Como encarar um “cobrador” no Angical, ou durante uma Prisão, se nosso coração ainda clama por uma justiça dentro do que “acreditamos” ser o correto? É necessário compreender que nossos cobradores também julgam ser o correto nos justiçar! Cobrar até o último centil! Assim, se desejamos pagar com amor e obter o perdão, somente seremos dignos deste pedido se soubermos primeiramente perdoar.

Mas como reagir perante tiranos e aqueles que comprovadamente agem de má-fé? Da mesma forma! Perdoando! Nosso objetivo neste plano físico é cumprir nossa jornada e se algo ou alguém se interpõe a ela, foge de nossa responsabilidade. Pois nosso compromisso é com o trabalho espiritual, e somente através dele é que poderemos nos libertar verdadeiramente e voltar para casa.

Os anjos vingadores têm a triste sina de semear a discórdia, de alimentar a chama das desilusões e do ódio. Separando irmãos, criando em suas fantasias a ilusão de justiça, mas praticando crimes de destruir os sonhos daqueles que acreditam em suas verdades construídas pelo próprio inconsciente distorcido.

Em nossas orações, devemos pedir por eles, que desconhecem a profundidade dos ensinamentos que nos foram deixados. Que rompem com os preceitos do Divino Mestre de Amor, Humildade e Tolerância.

Não somos capazes de ter noção da verdadeira justiça! Não sabemos o quê, ou quem, está por trás de cada atitude. Assim não devemos julgar, nos resta passar pela lição com o mérito real do perdão e amor incondicional.

Johnson Plata


Volta e meia volta à baila o tema do Mestre Capelino Johnson Plata, que segundo Tia Neiva viria nos auxiliar como encarnado.

Embora existam estes relatos, onde fica mais ou menos determinado o fim da década de 60 para seu reencarne, Tia nunca revelou se ele já estava realmente entre nós. Creio que sim, pois do contrário não haveria a preocupação de deixar registrado por escrito.

Mas afinal de contas o quê estaria fazendo este Mestre que não vem “consertar” tudo? É o quê muitos perguntam em suas rebeldias.

Meus irmãos e irmãs, este espírito, embora já tenha adquirido condições de estar encarnado em Capela, ainda tem um carma final a ser resgatado na Terra. Não sabemos se ele já está entre nós, silenciosamente cumprindo sua missão, ou se ainda não terminou sua faixa cármica para poder assumir sua missão junto a nossa Doutrina.

O Trino Araken afirmava que ele iria apresentar-se a ele, mas infelizmente nosso Trino teve seus momentos de afastamento e não sabemos se foi possível este encontro.

Muitos “candidatos” surgiram! E até hoje aparecem os vaidosos já acreditando que têm esta condição.

Particularmente creio que nunca saberemos quem é este Mestre (ao menos enquanto encarnados), mas sei que reconheceremos nele uma verdadeira liderança que não cause divisões. Será aceito por uns e execrado por outros, mas as divergências não conduzirão a novas rupturas internas, irão se restringir aos vaidosos, orgulhosos e sedentos de poder.

Talvez ele venha cumprir humildemente sua jornada apenas na Estrela Candente, garantindo a verdadeira realização deste trabalho nos dias em que estiver no comando. Isso já seria o bastante espiritualmente.

Não podemos esperar um “salvador”! Já temos tudo em nossas mãos e podemos contar com todo o sistema trazido diretamente dos planos espirituais por nossa Mãe Clarividente.

Não criemos falsas esperanças. Vamos nos esforçar em cumprir nossa missão e reconhecer a nós mesmos, ao nosso próprio espírito e a nossa verdadeira missão.

Kazagrande 

quinta-feira, 9 de maio de 2013

A Chance do Revide

quinta-feira, 9 de maio de 2013 - 4 Comments


Muitas vezes enfrentamos situações embaraçosas e injustas (segundo nossos olhos físicos) causadas por terceiros. Pessoas que, na sua incompreensão, acusam, caluniam, magoam...

É importante compreender que as dores provocadas são apenas parte do necessário aprendizado de nossa jornada física, afinal, que sentido teria nossa encarnação se fosse apenas para viver um mundo de flores? Melhor ficar no Plano Espiritual então!

Digo que são apenas parte do aprendizado, porque, embora tenham o necessário caráter de reajuste ou cobrança, na maioria das vezes os outros são somente o instrumento do reajuste, do teste a ser vencido.

A segunda parte vem pelas voltas da vida. Sim! Muitas vezes os que geraram toda a situação se veem de volta as nossas mãos... O mundo dá voltas, a energia retorna e aqueles que antes foram nossos ferrenhos algozes nos são entregues em uma oportunidade em que podemos nos vingar (fazer justiça infantilmente dizemos)... Esta é a segunda parte! Aprendemos? Cobraremos centil por centil o quê nos foi tirado? Devolveremos as ofensas, calúnias, e os faremos pagar por tudo o quê sofremos? Ou... Teremos a capacidade de perdoar, de relevar, de ser humildes e dar exemplo pela nossa conduta?

Esta semana foi uma semana muito difícil a nível físico-material. Vivi exatamente as duas partes da lição. Sofri as dores morais do que poderia se julgar “injusto” e ao final os “tais cobradores” caíram em minhas mãos prontos para receber uma “doce vingança”... O mundo sempre dá voltas...

Poderia me arrogar do direito de “justiça”, mas o quê sabemos sobre a justiça se nada vemos além dos olhos físicos? Como julgar o aspecto espiritual que pode estar envolvido? Será que realmente pagamos o que devíamos de outras passagens, ou ainda teremos que passar mais uma etapa para concluir o necessário reequilíbrio?

É hora de sublimar os sentimentos, dominar a psique, deixar o espírito agir! É hora de semear o perdão, pois nunca sabemos a hora em que se apresentarão aqueles aos quais devemos pedir perdão! E são tantos... Somos espíritos de muitas encarnações e em cada uma delas deixamos algo que ainda pode estar pendente!

Dizem que a vingança é doce! Mas valerá a pena sorver este líquido adoçado pela dor de outrem? Valerá a pena desperdiçar a feliz oportunidade de semear o perdão que, com certeza, ainda iremos precisar?

Não! O quê vale a pena é continuar sua jornada naturalmente, perdoando sempre que a oportunidade se apresentar, semeando o necessário alimento da “Escola do Caminho” deixado pelo Amado Mestre Jesus. O ciclo kármico pode ser vencido! A chave da vitória é o perdão! Somente assim, é que a máxima de Pai Seta Branca se fará presente: “O trabalho incessante vos libertará das dores e Jesus prescreverá seus restos kármicos”.

Trabalho incessante não é “internar-se no Templo” e sim viver como verdadeiro Instrumento da Luz, em todos os momentos de nossas vidas.

Restos Kármicos não são nossos necessários reajustes, e sim o feliz equilíbrio pelo perdão semeado que permite receber em o mesmo em troca.

Kazagrande

Riqueza Material

Muitas vezes temos a necessidade de ter o “controle da situação”. Acreditamos que sabemos tudo que é melhor para seguir a caminhada neste plano físico. Ficamos descontentes quando algo que almejamos não termina em um resultado que esperávamos, ou desejávamos.

Devemos sempre refletir quando uma porta se fecha, buscar entender o porquê daquilo e observar o quê se aprendeu com tal situação.

Lembremos que tudo tem o momento e a hora certa para acontecer. Se algo não se resolveu no seu tempo, é porque ainda não estamos preparados para receber tal beneficio. Sabemos que é fácil falar, ler e ouvir... O difícil mesmo é por em prática.

Uma das grandes lutas do homem no plano físico é querer que algo se resolva no seu tempo, sem perceber que o seu tempo não é o tempo de Deus, o tempo necessário para se aprender com tal situação.

Procuremos analisar o problema, observar os pontos positivos e negativos. Sem se questionar por que sempre acontecem situações parecidas.

Na vida, no plano físico, resgata-se obrigatoriamente o que se semeou nesta e nas outras vidas.

Muitas vezes, quando se tem muito ouro, muita fortuna, não se sabe dar valor a riqueza, e ao quê a riqueza pode proporcionar ao próximo. Pensar-se na riqueza só para si e se fecha para o amor ao próximo.

Nessas condições é preciso voltar para aprender a viver com o necessário, e a ajudar ao próximo com a força de trabalho. Trabalho este que não precisa ser oferecido apenas com o dinheiro, e sim com a emanação de energias positivas para aquele que necessita, e que não tem compreensão daquilo que está acontecendo em sua vida ou com seu corpo físico.

Certos reajustes são doloridos e demorados, porém somente quando se consegue compreender tal situação é que se alcança o próximo degrau.

Nem sempre riqueza faz ver o próximo, como irmão!

Mayara e Paulo Mairink

sábado, 4 de maio de 2013

Os Medos do Doutrinador

sábado, 4 de maio de 2013 - 6 Comments

Ao incorporar o “irmãozinho” a ninfa deu um berro gerando um alvoroço completo. O Doutrinador, um recém emplacado, quase caiu por cima do Preto Velho que atendia no Trono atrás dele. O paciente, pela primeira vez no Templo, não sabia se escondia-se debaixo do Trono ou corria. Até o Comandante, meio distraído, deu um pulo gritando: Salve Deus!

Quem já presenciou uma cena destas? Eu mesmo e tenho certeza, que infelizmente, muitos outros Mestres e Ninfas.

Vamos deixar de lado hoje todos os demais efeitos da falta de sintonia da Ninfa, afinal, em sintonia, nunca recebemos qualquer energia a qual não tenhamos total e absoluta segurança para manipular, dentro das leis do amanhecer, que prevêem, elegância e total respeito na incorporação.

Pensamos exclusivamente no terror do jovem Doutrinador! Dando seus primeiros passos na Doutrina, cheio de energia, mas com a insegurança natural de quem compreende a responsabilidade de um atendimento nos Tronos. Disposto a trabalhar, lutando para vencer a timidez em realizar um convite para uma Centuriã, e quando chega na hora do trabalho passa por uma situação vexatória destas.

Insisto no termo vexatória porque ele vira o centro de atenção de todos, que acompanham sua doutrina para ver se o espírito “sobe” e a ninfa deixa de querer aparecer. A doutrina mal sai da boca, as palavras se desordenam na mente, a boca seca e parece que não termina nunca! E sabe que nem pode tentar terminar rápido, pois com certeza o “espírito” não vai querer subir com pouca conversa. Todos olhando... E ele só pensando: se um dia voltar para os Tronos nunca mais volto com esta ninfa!

Outros medos também assombram o Doutrinador iniciante, mas nos Tronos, a maioria é decorrente da própria má formação dos Aparás.

Vejamos:

A Entidade começa a falar com o paciente, e com o barulho do Templo ele não consegue ouvir. Bem, ele pensa: Sei que aí está uma Entidade de Luz, este apará é conhecido, então está tudo bem! Me proteja meu Pai! Certo? ERRADO!!! Um Doutrinador não pode atender um paciente sem ouvir claramente a comunicação! Vou repetir: Não pode atender nenhum paciente sem saber exatamente o quê está sendo dito ali! É sua responsabilidade, tem que ouvir! Falo de minha experiência pessoal, quando não escuto, pode ser minha Ninfa, em quem tenho total confiança e pelos anos de trabalho sinto claramente qualquer alteração energética, se não escuto, abaixo a cabeça perto do ouvido do apará e digo bem baixinho: “Salve Deus Vovó! Hoje o Templo está um pouco barulhento, a senhora poderia falar um pouquinho mais alto?” Qual Entidade de Luz vai ficar “chateada” com isso? A Entidade jamais!

Outro ponto, às vezes sentimos claramente que a energia mudou, é possível que outra entidade tenha se aproximado para atender um paciente especificamente. Então o correto é não ter dúvidas! Com muito carinho e respeito, baixinho e com elegância para não chamar a atenção: “Salve Deus! Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, quem está presente neste aparelho?” Muitas vezes o próprio apará tinha sentido uma mudança de energia, e esta simples pergunta vai dar a ele a certeza que precisa. Se conseguir se identificar sem problemas, graças a Deus! E também pode acontecer de neste instante, o apará não tendo a segurança, mas reconhecendo a mudança, simplesmente dá passagem.

As vezes incorpora um Caboclo nos Tronos e se age como se nada de anormal tivesse passado. Salve Deus! Qualquer entidade, para trabalhar no Vale, tem que ser identificada, e apresentada ao paciente, antes de receber qualquer passe. Sim, houve a mudança, necessária por vezes, mas antes da Entidade poder atender o Doutrinador tem a obrigação de identificá-la.

O Doutrinador só pode trabalhar em segurança total e sem dúvidas, senão não é Doutrinador. É um robozinho, como dizia Tia Neiva.

Não havendo sintonia, segurança ou tendo qualquer tipo de dívidas, senta-se após o paciente sair e com toda delicadeza diz: “Salve Deus Vovó, que trabalho maravilhoso! Gostaria de ter outras oportunidades de trabalhar com a senhora, mas agora preciso sair um pouco dos Tronos”. Não é uma mentira, ou subterfúgio! É a mais clara realidade. Todos nós almejamos a honra de trabalhar com uma Entidade de Luz. Se naquele momento a sintonia não está bem, não é por culpa da Entidade, é uma falha nossa ou do apará. Falando desta forma é simples! Sem mágoas, sem comentários posteriores, nada. Somente o bom senso e educação! É melhor deixar um paciente esperando mais tempo para ser atendido do que ser atendido em um Trono onde algum médium possa estar em dúvidas.

Lembremos sempre que a vida de uma pessoa nos é confiada naquele momento. Existem os que chegam aos Tronos como última esperança, a beira do suicídio mesmo!

Mestre, tem uma fila de pacientes gigante e me deu dor de cabeça, dor de barriga, ou simplesmente a bexiga quer estourar, o quê eu faço?

“Salve Deus! Minha querida vovozinha, gostaria muito de poder continuar esta grande oportunidade, mas tenho uma necessidade física neste momento, podemos encerrar nosso trabalho?”

Mestre, e naquela primeira situação? Uma incorporação escandalosa dando socos, gritos e mensagens pessoais... Que quê eu faço se acontecer comigo?

Assim que terminar o atendimento, encerre o trabalho! Sentindo que o paciente ficou assustado e não está saindo melhor do que chegou, faça sinal ao Comandante e discretamente peça para que ele encaminhe o paciente a outro Trono. Em seguida, sente-se e encerre seu trabalho.

Trabalhar nos Tronos é muito sério para os dois, mas a responsabilidade é do Doutrinador!

Para os Aparás... É compreensível que chegue um irmãozinho querendo gritar, socar o Trono, dizer impropérios. Isso acontece com freqüência, mas o controle da incorporação é do médium. Para isso é que está consciente! Demonstração de força não é ceder aos impulsos e se harmonizar com a entidade sofredora. E sim saber controlar-se e buscar a sintonia do seu Mentor.

Para um Apará trabalhar nos Tronos tem que se ter Equilíbrio! Para um Doutrinador trabalhar tem que ter segurança. Não pode trabalhar em dúvidas, repito novamente.

Salve Deus! Enquanto o médium ainda não é Centurião, podemos orientar, ou pedir aos Instrutores que o procure e oriente. Depois de Centurião, todo seu comportamento é de sua total responsabilidade.

Tia Neiva foi clara nos dois pontos a esse respeito: A responsabilidade dos Tronos é do Doutrinador e o comportamento do Apará é de sua própria responsabilidade. Ele tem que estar em sintonia com sua Entidade, e não com o irmãozinho que chega aos Tronos.

RECEBA POR EMAIL

Inscreva seu e-mail e receba todas as publicações do EXÍLIO DO JAGUAR !!!

© 2013 O Exílio do Jaguar. All rights reserved.
Designed by SpicyTricks